Museu do Homem do Nordeste

Comemorando o dia Nacional da Cultura, (05 de Novembro) venho com uma dica bem legal e muito cultural: Que tal uma visita ao museu? Levar os pequenos para conhecer nossa cultura e história mais de perto…

 

Créditos da Foto: Max Levay (Cenas Assinadas)

 

O Museu do Homem do Nordeste, como eles mesmos falam, não é só um espaço expositivo, é um espaço de descobertas, questionamentos e curiosidades que ampliam a bagagem cultural do indivíduo. É um local onde você encontra sempre o tipo de visita desejada, seja você um turista, estrangeiro ou brasileiro.

 

No circuito expositivo, o passado e o presente se encontram com suas diversidades, referências, tradições e vanguardas, mostrando a Região Nordeste como espaço múltiplo e forjador da identidade brasileira.

 

O objetivo do Museu não é mostrar pura e simplesmente quem é esse homem ou como se formou a região Nordeste. Trata-se de lançar a pergunta e, a partir de estímulos que evocam imagens e sentidos, desvendar memórias individuais e coletivas.

 

 

Exposição atual: “Nordeste: Territórios Plurais, Culturais e Direitos Coletivos”, apresenta um mural da vida cotidiana brasileira.

 

Horário: de terça a sexta, das 8:30h às 17:00h; sábado, domingo e feriado, das 13:00h às 17:00h. (Fechado na segunda e nos feriados de 1º.de Janeiro, Carnaval, Data Magna de Pernambuco(06/03), Sexta-Feira da Paixão, São João(24/06) e Natal(24/12).

Entrada: R$4,00 (inteira) e R$2,00 (meia), GRÁTIS para menores de 12 anos, professores e estudantes de escolas públicas.

ENTRADA FRANCA PARA TODOS NO 3º. DOMINGO DO MÊS

 

Telefone: Programas Educativo-Culturais 81. 3073-6333, Recepção 81. 3073-6340

 

Endereço: Av. 17 de Agosto, 2187, Casa Forte, Recife – PE CEP- 52061-540

 

Dica 1: As visitas são atendidas por universitários/estagiários mediadores da área de Turismo. Não existe em pedir ajuda, caso ache necessário.

 

Dica 2: Caso a  visita for feita em grupo  o ideal é agendar e ter uma visita guiada. Nestas visitas, o guia leva, durante o circuito da exposição, um “matulão” – bolsa de couro recheada de materiais estimuladores de conexões com o acervo do Museu. Ali são vivenciadas experiências através de brincadeiras de mímica, dança e música dentro do espaço expositivo, fazendo o contraponto com os objetos museais. Nesse tipo de visita existe uma relação dialógica entre o público e o acervo. É o Museu como espaço estimulador de educação.

 

Bom Passeio!

Deixe uma resposta para Letícia Garcia

  1. Uma amiga foi com o filho lá e ficou decepcionada. Disse que está um tanto abandonado, mas que parece que mês que vem será inaugurado um novo espaço.

    • Eu fui nas férias e minha filha foi novamente com a escola em agosto ou setembro… Eu gostei da exposição, mas achei que faltou realmente alguém orientando e até algumas plaquinhas explicativas. Mas como adoro este lado cultural, conheço um bocadinho, então ficava mais fácil e eu mesma ia explicando e mostrando as coisas para a minha filha. Já a visita da escola, que foi guiada todos elogiaram muito.

      Soube que o que vai inaugurar, na realidade vai reabrir. É um café com lojinha que fica logo na entrada.