O Som dos choros

 

Esta semana o “meu pediatra, Dr. Fernando Azevedo” publicou uma matéria que achei super interessante e resolvi compartilhar com vocês, pois com certeza a maioria dos pais “sofrem” deste mal: ter que identificar o significado de cada choro dos nossos pequeninos, principalmente durante as madrugadas, quando queremos dormir e eles não param de chorar…

 

“Pediatria deve ser muito difícil porque a criança não fala” esse é um comentário comum. Verdadeiro. Aliás, medicina é muito difícil. Entender o organismo animal (incluo a Veterinária) é complicado, a interação dos diversos sistemas atrapalha o médico e o paciente. Muitas doenças na pele, por exemplo, são exteriorizações de patologias em outros órgãos. Tem ainda as doenças psicossomáticas que derrubam muitos pensamentos apressados. Uma coisa na criança é vantajosa. Ela é pura, sincera, não mente e com sua expressão facial revela alegria, tristeza, dor.

Ai você pergunta: E o recém-nascido e criança pequenininha? Além da face o choro é música pura. A fome tem um som, a dor outro sempre em tons maiores. A tristeza o abandono em tom menor. As rugas, o franzir da testa compõem o quadro. Quem melhor entende o choro? A mãe. Nós desconfiamos, mas o aval delas é fundamental.

 

Quero abordar, no entanto o choro noturno que sempre é interpretado como fome e lá vem mamadeira desnecessária e a engorda. Nos primeiros meses a criança da trabalho, o primeiro então nem se fala. É um organismo em crescimento intenso e precisa combustível, mas a partir do quinto mês, por exemplo, muitas já dormem a noite toda. Pelo som veja se tem som de fome ou de desconforto que pode ser uma ma posição, algum incômodo, frequente em área de fraldas, calor, frio, nariz entupido, tosse. Com esse choro noturno cria-se um raciocínio que “para não acordar dou uma mamadeira quando está dormindo, pois não vai despertar com fome”.

Terrível engano, vômitos frequentes, refluxos, despertar sem fome e com isso não se interessa por outra alimentação seguindo a tomar mamadeiras durante o dia todo. As famosas cáries de mamadeira aparecem e a dentição se prejudica. A partir do quinto mês, experimente depois de verificar tudo, tentar se um chá ou água não resolve. Se for fome mesmo paciência, cada um tem seu ritmo, mas a obesidade começa a ser combatida  com essas pequenas ações.

 

Depois deste texto vou dar um depoimento: seguindo as recomendações do Dr. Fernando, quando ela não estava mais mamando, por volta dos 10 meses, quando ela acordava chorando eu ao invéz de dar o leitinho, simplesmente oferecia um cházinho e comecei a perceber que ela tomava e voltava a dormir, ou seja não era fome e sim força do hábito. Comecei a reduzir a quantidade do chá até que parei de dar e para a minha surpresa após alguns chorinhos ela logo voltava a dormir… Mas é claro que o jantar era bem reforçado e antes de dormir eu ainda dava um leitinho ou vitamina.

 

E com vocês como foi ou como ainda é este processo das noites sem dormir???

Faça Seu Comentário

  1. Com 1 ano e 9 meses, um dos meus ainda acorda, mas nunca dou leite. Eu ponho no colo, balanço, faço ele dormir de novo e coloco de volta no berço. Eu só não deixo ele lá pra não acordar o outro. Só uma vez esses dias que ele acordou com o que parecia fome, chorava muito, apontava pra cozinha, nada acalmava. Quando tomou o leite, dormiu.