Nova Turnê do Bita em Recife

Foto divulgação

 

Os pequenos fãs pernambucanos do Mundo Bita têm encontro marcado com os personagens que já animam o cotidiano de milhares de famílias brasileiras. Iniciada em setembro de 2016 no Recife, a nova turnê do Show do Bita volta à capital pernambucana com três apresentações no Teatro Luiz Mendonça (Parque Dona Lindu). Os ingressos para os dias 7 e 14 de maio já estão à venda.

 

O espetáculo musical conta com 14 músicas selecionadas dos quatro DVDs lançados: Bita e os Animais, Bita e as Brincadeiras, Bita e o Nosso Dia e o mais recente trabalho, Bita e o Corpo Humano, lançado em outubro de 2016 e que, durante aquele mês, firmou-se no topo das vendas em todo o Brasil.

 

“O show é sempre muito bem recebido aonde chega e para nós é muito importante ter esse retorno, perceber que o Mundo Bita conquistou um lugar muito significativo na casa das pessoas, no convívio familiar”, comemora João Henrique Souza, roteirista do show. Novas interações com o público dão ainda mais destaque ao conjunto de personagens que integram a turma. “O Bita continua sendo o personagem principal, mas as crianças Lila, Tito e Dan cativam cada vez mais o pequeno fã. O roteiro amplia suas participações, se adequando à própria evolução do Mundo Bita”, explica João Henrique. Outro destaque é a cantora Flora, que a cada apresentação ganha mais afinidade com os integrantes, conquista o público e arregimenta fãs por todo o Brasil.

 

SERVIÇO:

Evento: Show Mundo Bita no Recife
Data: 07 e 14 de maio de 2017

Hora: 07/05 – 15h (sessão extra) e 17h e 14/05 – 17h

Local: Teatro Luiz Mendonça (Dona Lindu)
Ingressos: R$60,00 (inteira), R$30,00 (meia)

Ponto de venda: nas lojas Vila 7, loja Firulinha e no site www.lojadeingresso.com.

Crianças até 12 anos, estudantes, idosos e professores pagam meia entrada.

Crianças de até 2 anos não pagam.

Teatro: Era uma vez na Terra

Foto: Divulgação

Era uma vez na Terra é um espetáculo teatral produzido pela Proativa, que faz uma incrível viagem através do tempo, onde passado e futuro se encontram no presente, contribuindo para a formação de cidadãos conscientes, aptos para decidirem e atuarem na busca de um meio ambiente preservado e sustentável.
Lúdico e poético, o espetáculo trata de um assunto atual e urgente, um tema transversal que integra os Parâmetros Curriculares Nacionais definidos pelo MEC, tendo como intuito, estimular no público ações de prevenção necessárias à manutenção da vida.

Técnicas de palhaçaria, teatro de bonecos, poesia e música são alguns atrativos da peça, que pode ser conferida no Teatro Luiz Mendonça, no Parque Dona Lindu e no Teatro Eva Herz, na Livraria Cultura do Shopping RioMar.

 

Com direção de Alexsandro Silva e dramaturgia de Dálviton Anelio, a peça tem 50 minutos de duração. No elenco, estão Davison Wescley, João Ferreira, Júnior Pernambuco, Renato Parentes, Ricardo Vendramini e Sarah Coimbra.

 

Serviços:

9, 16, 23 e 30 de abril/2017

no Teatro Luiz Mendonça, às 17h;

ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)

 

27 e 28 de abril/2017

e no Teatro Eva Herz, às 15h.

ingressos R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia)

Cinema: Sing

E para começar bem as férias que tal pegar um cineminha??? Eu adoro a ideia e este vem cheio de animação e com a mensagem de encorajamento, pois todos temos nossos medos, mas com determinação podemos superá-los, afinal, quem canta seus males espanta! Já estou organizando uma turminha para ir junto, pois cinema com a turma e muita pipoca é sucesso garantido! Vamos?

 

Sinopse:

Buster Moon é um Coala que comanda um antigo grande teatro que hoje tem passado por tempos difíceis. Buster é um eterno otimista que ama seu teatro acima de tudo e fará de tudo para preservá-lo. Agora, enfrentando a falência de seu teatro, ele terá uma última chance para restaurar sua joia produzindo a maior competição de canto do mundo. Será uma espécie de reality musical, onde os animais irão enfrentar seus medos em busca do sucesso!

 

Ficha Técnica:

Filme: Sing, quem canta seus males espanta

Gênero: Animação

Distribuidora: Universal Pictures

Duração: 1:48h

Classificação: livre

Na Mancha ninhguém me pega

Crédito das Fotos: Gustavo Bettini /Divulgação

Crianças não brincam de brincar, brincam de verdade” Mário Quintana

 

A Em Cena Arte e Cidadania estreia esta semana, no Teatro Marco Camarotti, no Sesc Santo Amaro, o espetáculo “Na Mancha Ninguém Me Pega“, uma releitura da primeira apresentação feita pelo grupo em 2002. Quinze anos depois, e o tema central continua cada dia mais necessário: as brincadeiras infantis são colocadas em palco de forma envolvente e divertida. Na Mancha Ninguém Me Pega provoca o entusiasmo pelo universo do brincar, pela liberdade e alegria que as crianças precisam ter.
As 19 bailarinas são crianças e adolescentes que fazem parte da Associação Em Cena Arte e Cidadania, no bairro dos Coelhos. Na apresentação, parlendas, charadas e brincadeiras de rua se entrelaçam aos movimentos da dança. Para a releitura, o espetáculo, que tem duração de 50 minutos, ganhou novos cenário, figurino, plano de luz e trilha sonora.
Batatinha 1 2 3, passa anel, cabra-cega, estrelinha, adoleta, guerreou, estátua, boca de forno, esconde-esconde, pega-pega, lagarta pintada, amarelinha, cama de gato, roda, bambolê, são algumas das brincadeiras que o espetáculo traz em cena, com direção e coreografia de Maria Paula Costa Rêgo, figurino e cenário criados por Walther Homes, trilha sonora de Berna Vieira, Gabriel Melo e Irandê Naguê.
Para promover a inclusão social, duas apresentações do espetáculo serão feitas com tradução em libras. No sábado (26/11), as 16h e no domingo (27/11), as 10h.
Na Mancha Ninguém Me Pega tem incentivo do Funcultura PE (Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura), e a associação Em Cena Arte e Cidadania tem apoio de pessoas físicas, empresas, e do Conselho Municipal de Defesa e Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente.
A Em Cena Arte e Cidadania é uma associação civil sem fins lucrativos, com sede no bairro dos Coelhos, em Recife, e que desde 1998 atua no ensino de dança para crianças e adolescentes. Entre os espetáculos já montados estão Na Mancha Ninguém Me Pega (2002-2004), Estações: Uma História de Amor Impossível (2003), O Quebra Nozes no reino do meio dia (2005)-2008), Amanhã é Depois, hoje é brinquedo (2011-2012) e Disse Me Dança (2013, 2014,2015).
Serviço:

Local: Teatro Marco Camarotti (Sesc Santo Amaro, na Rua Treze de Maio, 455, Santo Amaro – Recife)
Programação:

19/11 – sábado | 16h
20/11 – domingo | 10h e 16h

26/11 – sábado | 16h
27/11 – domingo | 10h e 16h

04/12 – domingo | 10h e 16h

Informações: 81. 3216-1728
Ingressos: R$20,00 (inteira) e R$10,00  (meia)
Apresentações com Tradução em Libras (26/11, as 16h), e 27/11 (as 10h).
Os ingressos estão à venda no site https://www.eventic.com.br/na-mancha-ninguem-me-pega (cartão) e na bilheteria do Teatro, uma hora antes do espetáculo (pagamento em dinheiro).
Ficha Técnica

Realização: Em Cena Arte e Cidadania

Direção e coreografia: Maria Paula Costa Rêgo

Assistentes de Direção e Ensaios: Mieja Chang e Ketully Leal
Elenco: Alana Luiza, Ana Clara Kirsten, Andreline Evangelista, Anna Terra, Dênia Delany, Eduarda Lima, Emilly Flávia, Emylin Lopes, Geovana Nascimento, Gersanita Gomes, Jamilly Rayssa, Ketully Leal, Lara Rafaelly, Miriam Santana, Naise Nascimento, Rebecka Helena, Rebeka Thamilis, Suely Vicente e Thâmara Lima.
Cenário e Figurino: Walther Holmes
Trilha sonora: Berna Vieira, Gabriel Melo e Irandê Naguê
Operação de som: Marcelo Nascimento
Iluminação: Luciana Raposo

CONTATO:
Betânia Gonçalves – coordenadora da Associação Em Cena Arte e Cidadania – (81)99601.4500 / 8688.4500
Minha Pequena África

Em outubro eu assisti a primeira apresentação do Projeto “Minha Pequena África” das minhas amigas queridas do grupo Cordelândia! O projeto está lindo e trás de forma lúdica e bem animada informações e curiosidades sobre a cultura africana que tanta influência exerce sobre a nossa cultura, não é mesmo??? Entendam um pouco da proposta delas e não deixem de conferir a programação neste mês de novembro e vão conferir de pertinho com toda a família!

 

Foto: Divulgação

 

Quantos de nós já chegamos a pensar que a África era apenas um país? Quantos de nós concebemos uma África povoada apenas por tribos e repleta de histórias tristes? A verdade é que sabemos muito pouco ou quase nada deste continente lindo e cheio de histórias incríveis. Histórias que narram a vida, o pensamento e que nos brindam com mitos que nunca imaginamos existir. Para comemorar este lugar abençoado, raro e belo, nasceu o “Minha Pequena África”. Um espetáculo para toda a família que traz à tona a influência da cultura de matriz africana sobre nós. A realização é da Banda Cordelândia e do AfroKoletivo. Em novembro, o espetáculo será apresentado no Paço do Frevo (Bairro do Recife), no dia 13/11 (domingo), às 16h; nA Casa do Cachorro Preto (Olinda), no dia 20/11 (Domingo – Dia Nacional da Consciência Negra), às 16h; e no Centro Cultural Xambá (Olinda), no dia 27/11 (domingo), às 16h.

 

Criado e desenvolvido pela musicista Camila Ribeiro e pelo produtor e educador social Danilo Carias, o “Minha Pequena África” tem como uma de suas propostas suprir as necessidades referentes à Lei no 9.394, que inclui no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”. Assim, durante uma hora de duração, o espetáculo apresenta o Brasil que herdou da Mãe África uma infinidade de costumes, sons, palavras, comidas, danças, instrumentos, religiões que necessitam ser difundidos para permanecerem vivos.

 

De forma leve, lúdica e educativa, o legado africano é apresentado no “Minha Pequena África” pela Banda Cordelândia, que é formada pelas musicistas Camila Ribeiro, Joannah Luna, Susana Morais e Viviane Oliveira. A música afro-brasileira, os contos, as lendas e os cordéis convidam a família a descobrir um novo jeito de interagir com a nossa ancestralidade. Todo o repertório musical e de contação de histórias foi criado especialmente para o espetáculo.

 

Assim, o espetáculo traz como pressuposto temas como o preconceito, a intolerância religiosa e as diversas formas de exclusão social, que no espetáculo ganham uma reflexão leve e propositiva. Com isso, o “Minha Pequena África” evidencia a cultura afro como constituinte e formadora do patrimônio cultural brasileiro, onde os negros são considerados sujeitos históricos de extrema relevância na construção do país.

 

Sob a direção musical e arranjos de Camila Ribeiro as músicas são executadas por Rafael Peixoto e Viviane Oliveira na percussão, Toinho Japa no contrabaixo e Kassio Farias na bateria. A contação de histórias fica a cargo da cordelista Susana Morais e de Joannah Luna, que também é a cantora do espetáculo. A consultoria pedagógica é de Luciene Ciciliani. Coreografia de Anderson Nogueira. A produção executiva é da Criativo Soluções e Produção Cultural. A Produção comercial é da ZaraTempo Produções.

 

O projeto “Minha Pequena África” foi contemplado no Edital de Bolsa de Fomento aos Artistas e Produtores Negros da Fundação Nacional de Artes (Funarte) 2014. A classificação etária é livre.

 

Foto: Divulgação

 

Serviço:

“Minha Pequena África” – Espetáculo da Banda Cordelândia

 

Agenda de Novembro (que também está no calendário)

 

Quando: 13/11 (domingo), às 16h

Onde: Paço do Frevo (Praça do Arsenal da Marinha, s/n, Bairro do Recife)

Entrada: dentro da programação do local

 

Quando: 20/11 (Domingo – Dia Nacional da Consciência Negra), às 16h

Onde: A Casa do Cachorro Preto (Rua Treze de Maio, 99, Cidade Alta, Olinda)

Entrada: gratuita

 

Quando: 27/11 (domingo), às 16h

Onde: Centro Cultural Xambá (Rua Severina Paraíso da Silva, 65, Portão do Gelo, Olinda)

Entrada: gratuita

 

Informações: 81 99898-5212 ou 81 98236-3777

 

Ficha Técnica | “Minha Pequena África”

 

Classificação etária | Livre

Duração | 60 minutos

Concepção | Camila Ribeiro e Danilo Carias

Direção Musical | Camila Ribeiro

Direção de Cena | Danilo Carias

Músicos Convidados | Rafael Peixoto (Percussão), Viviane Oliveira (Percussão), Toinho Japa (Contrabaixo) e Kassio Farias (Bateria)

Cordelista e Contadora de Histórias | Susana Morais

Cantora e Contadora de Histórias | Joannah Flor

Coreógrafo e Bailarino | Anderson Nogueira

Coordenadora de Pesquisa e Apoio Pedagógico | Luciene Ciciliani

Cenário | Leo Luna

Figurino | Joannah Flor, Anderson Nogueira, Joana Lima

Design | João Paulo Monteiro

Assessoria de Comunicação | Feed Comunicação

Produção Executiva| Criativo Soluções e Produção Cultural

Produção Comercial | ZaraTempo Produções