Lição de casa: até onde vai a tarefa dos pais?

O ano letivo já começou, algumas crianças até já estão fazendo as primeiras avaliações e você ainda tem dúvidas de como orientar seu filho na tarefa de casa? Então não pode deixar de ler este texto em que nossas queridas colaboradoras do Bases Cognitivas escreveram para nos orientar, nesta missão que às vezes é bem complicada!!!! Boa leitura e bom aprendizado!

 

Muitos pais sentem dúvida em relação ao acompanhamento da tarefa de casa do filho. Na maioria das vezes, questionam se devem indicar o erro, apagar ou dar dicas sobre a resposta.  É natural que tais dúvidas surjam. Nós, do Bases Cognitivas,  vamos te dar  dicas breves, mas importantes sobre o assunto… e logo agora, bem no início do ano letivo. Vamos lá?

 

A primeira coisa importante para considerarmos é que a postura assumida pelos pais durante as lições de casa dos filhos ensina-os, implicitamente, sobre como sentir-se e relacionar-se com o ato de estudar e aprender. Se os pais mostram-se impacientes e estressados ao sentar-se à mesa, seus filhos também terão motivo de se sentir assim. Ler os comandos sem a devida atenção, reclamar do nível de dificuldade da atividade, questionar o trabalho pedagógico da escola, desistir com facilidade… é uma forma incisiva de ensinar aos filhos a assumir uma postura desatenta e a deslocar a  responsabilidade sobre sua própria aprendizagem para os outros. Lembre que você é um modelo de referência para o seu filho. Portanto, assuma uma postura tranquila diante dele e se tiver questionamentos em relação à atividade, vá direto ao professor que é o profissional habilitado para lhe dar as devidas explicações sobre o assunto.

 

O segundo elemento a ser destacado é que você, assim como o professor, pode ser considerado um mediador do processo de aprendizagem, mas a responsabilidade em realizar a atividade e aprofundar os conhecimentos é do seu filho. A lição de casa é dele e não sua. Por isso, não forneça respostas, mas faça perguntas que o levem a pensar e a refletir sobre a atividade proposta. Se ele errar, não diga que ele errou, simplesmente, oriente-o: “Releia”. “Você tem certeza que fez o que se pediu?” “Observe como essa palavra está escrita no texto. Agora, compare como você a escreveu. É assim mesmo que deve ser?” “Não está faltando alguma acentuação?”. Se ele não perceber, evite apagar. Esse tipo de “erro”  é para o professor um importante termômetro da aprendizagem do seu filho.  Se você apaga-lo, vai mascarar o processo de construção de conhecimento, e assim sendo, o professor terá dificuldades em organizar intervenções a favor deste saber.

 

Por fim, o seu filho precisa construir autonomia para realizar as atividades. Por isso, aos poucos vá saindo de cena. No inicio, sente junto dele e ensine-o a organizar seu material, ler  e destacar os comandos da tarefa de forma correta e a manter o foco. Depois, dê as orientações e  envolva-se brevemente com uma atividade sua, fique de longe. Revise cada uma das questões a medida que ele as terminar.  Tente fazer com que, aos poucos, te mostre que fez toda a tarefa, cabendo a você apenas a revisão e sugestão de elementos que ele poderia investir melhor.

 

Se você perceber que, ainda assim,  seu filho apresenta muitas dificuldades, vá até a escola e peça orientação e ajuda. Os profissionais de educação são especialistas em aprendizagem e por isso devem ser sempre procurados em momentos como estes. Eles saberão lhe dizer quais elementos estão dentro de um padrão comportamental ou um processo normal de aprendizagem.

 

Nós, do Bases Cognitivas, também podemos te ajudar. Dá uma passadinha lá na nossa página e  entra em contato com a gente para conhecer nossos serviços personalizados nesta área. Até mais!

 

 

Adorei as dicas!!!!! E se você ainda ficou com alguma dúvida sobre este assunto, pode perguntar nos comentários abaixo, nas redes sociais ou ainda enviar email (regina@dicasmiudas.com.br) que responderemos com o maior carinho, beijos e até a próxima tarefa, oooops até o próximo #PapoDeAdulto

Faça Seu Comentário